Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids call [11] 98212-6950 email mopaids@gmail.com

Estudo nos Estados Unidos mostra que campanhas sobre PrEP ainda não conseguem atingir mulheres

A pesquisa descobriu que a falta de conhecimento sobre a PrEP não era por falta de interesse.

AidsMap
11/08/2020

Um estudo com mulheres, em sua maioria jovens e negras, atendidas em um pronto-socorro de Chicago e uma clínica de DST, encontrou baixos níveis de conhecimento sobre PrEP, mesmo em uma cidade onde houve campanhas de PrEP direcionadas a mulheres e homens heterossexuais, bem como membros da comunidade LGBT +.

O estudo foi conduzido pela Dra. Lisa Hirschhorn e colegas da Northwestern University de Chicago, juntamente com a Aids Foundation of Chicago e o departamento de Saúde Pública da cidade.

A pesquisa descobriu que a falta de conhecimento sobre a PrEP não era por falta de interesse. Embora menos de um terço das mulheres tivessem ouvido falar da PrEP, uma vez informadas, mais de um quarto delas anunciou a intenção de iniciar a PrEP. Muitas expressaram surpresa e até raiva por não terem sido informadas sobre isso antes e ficaram surpresas ao saber que a PrEP estava disponível já em 2012.

A falta de conhecimento também não era por falta de necessidade. A minoria das mulheres se enquadrou nos critérios do Serviço de Saúde Pública dos EUA para PrEP. Quando informadas sobre a profilaxia, 28% das mulheres expressaram interesse em tomá-la, mas isso subiu para 40% nas mulheres que se enquadraram nos critérios da PrEP.

Os principais motivos identificados pelo estudo para a falta de conhecimento das mulheres sobre a PrEP foram que elas tendiam a não procurar atendimento de saúde, mesmo sexual, em locais onde a PrEP era divulgada. Elas preferiram se envolver profissionais de saúde confiáveis para todas as suas necessidades e não foram informadas sobre a PrEP por profissionais que talvez presumissem que elas não precisavam da profilaxia. Além disso, aqueles que conheciam a PrEP e viram as campanhas sentiram que ela são direcionadas a homens.

Os motivos para a não realização da PrEP, uma vez informadas, incluíram o medo de não conseguir aderir à dose diária, medo de possíveis efeitos colaterais, especialmente para um feto, e preocupação sobre como explicá-lo aos parceiros.

A desconfiança generalizada no sistema de saúde é um fator que tem sido sugerido como uma razão para as taxas mais baixas de envolvimento nos cuidados com o HIV e a menor captação de PrEP entre negros e mulheres. Mas, embora as mulheres nos grupos focais tenham expressado alguma desconfiança, o envolvimento geral nos cuidados de saúde foi muito bom com 70%. O que importava para elas era um provedor de saúde regular, geralmente um clínico geral, com quem haviam estabelecido confiança.

O estudo

Os pesquisadores dizem que as mulheres precisam de mais acesso à PrEP. Embora a incidência geral de HIV entre mulheres negras em Chicago seja menos de um décimo do que é em homens gays (até 0,09% ao ano, dependendo da área), é mais de 14 vezes o que é em mulheres brancas. A chamada ‘proporção de PrEP-necessidade’ de mulheres nos EUA – o número da PrEP, dividido pelo número anual que são diagnosticados com HIV – é atualmente de 0,4 em mulheres, em comparação com 2,1 em homens. No Condado de Cook, que cobre Chicago, menos de 7% das 7239 pessoas que tomaram PrEP em 2018 eram mulheres cisgênero, embora quase 20% da população com HIV seja do sexo feminino.

O estudo pediu a 370 mulheres cisgênero não grávidas, HIV-negativas que visitavam o departamento de emergência de um hospital (250 mulheres) ou uma clínica de D=IST (120 mulheres) para preencher uma pesquisa. Também recrutou 12 delas para se juntar a dois grupos focais de seis cada.

A maioria das mulheres era negra (83%) e a maioria das demais latinas (12%); menos de 5% eram brancas. A idade média era 28, com variação de 18-57.

Sessenta por cento tinham pelo menos alguma educação universitária e 62% tinham seguro saúde (embora 12% não informaram se tinham). Das 70% envolvidas em cuidados médicos regulares, 57% tinham um prestador de cuidados primários como primeiro ponto de contato preferencial e 22% um centro de saúde. Treze por cento nunca haviam feito o teste de HIV.

Oitenta e cinco por cento das mulheres fizeram sexo nos últimos seis meses e delas, mais de 16% também fizeram sexo anal (algumas só fizeram sexo anal). Mais de um terço (35%) teve mais de um parceiro nos últimos seis meses, mas apenas 14,5% das mulheres usaram preservativos de forma consistente para sexo vaginal nos últimos seis meses e 19% para sexo anal. Doze por cento tiveram uma IST bacteriana.

Trinta e oito por cento das mulheres eram elegíveis para receber a PrEP de acordo com os critérios do Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos. Apesar disso, menos de 10% se classificaram como de moderado a alto risco de HIV. Uma proporção mais elevada ,30%, disse que “às vezes ou com frequência” se preocupava com o HIV.

Trinta por cento das mulheres tinham ouvido falar da PrEP. Destas, 36% viram um anúncio; 29,5% (apenas 9% de todo o grupo) discutiram a PrEP com um consultor médico; e os outros 34% o encontraram por meio de amigos, um agente de evangelismo ou online. Apenas onze mulheres (3%) conheciam alguém em PrEP.

Depois que todas no grupo de estudo foram informadas sobre a PrEP, 28% disseram que iriam “provavelmente ou definitivamente” tomá-la nos próximos seis meses. A principal razão para fazer isso (elas podem escolher mais de um) foi “para proteger minha saúde” em geral, enquanto 58% disseram especificamente “para reduzir minha preocupação com o HIV”.

Metade das mulheres indicou seu provedor regular de cuidados primários como a pessoa com quem prefeririam discutir a PrEP, embora proporções significativas preferissem discutir, ou também discutir, com um profissional de prevenção do HIV ou uma clínica de planejamento familiar. No entanto, quando se tratava de quem eles prefeririam ser o responsável por realmente fornecer PrEP, 65% disseram que prefeririam seu médico regular com clínicas de IST.

A preocupação mais comum citada sobre tomar PrEP foi lembrar de tomar uma pílula uma vez ao dia (78% mencionaram) e efeitos colaterais (68%). Trinta e cinco por cento disseram que precisariam de seguro ou outra assistência financeira para pagar por isso; 29% previram que precisariam de suporte de adesão; e mais de 25% presumiram que teriam de contar ao parceiro e / ou família e precisariam de apoio para falar sobre isso.

Na análise multivariada, os únicos fatores associados à probabilidade significativamente maior de iniciar a PrEP foram a etnia latina (sendo a etnia branca a menos provável), ter um provedor de saúde regular, ter tido uma IST nos últimos seis meses, e estar mais convencida de que a PrEP é eficaz.