Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids call [11] 98212-6950 email mopaids@gmail.com

Uma pílula, um anel ou uma injeção: o futuro da prevenção do HIV é a escolha

Embora esses métodos de prevenção dêem às pessoas muito mais opções de como se proteger contra o HIV, eles só têm valor se as pessoas realmente fizerem uso.

Bhekisisa Centre for Health Journalism
05/02/2021

  ●   A África do Sul superou suas metas de lançar a pílula de prevenção do HIV em 2020, apesar da pandemia de coronavírus.

  ●   Uma injeção de oito semanas para prevenir o HIV mostrou-se mais eficaz do que a pílula em dois estudos em grande escala, mas ainda está aguardando aprovação regulatória em todo o mundo.

  ●   O lançamento da injeção deve ser um esforço global que evite a criação de setores isolados para cada novo medicamento de prevenção do HIV.

A África do Sul tem o maior e mais amplo programa de prevenção do HIV a base de comprimidos na África, com mais de 100.000 novos usuários da Profilaxia Pré-Exposição oral (PrEP) registrados entre julho de 2016 e dezembro de 2020. De acordo com dados apresentados na conferência HIV Research for Prevention da International Aids Society esta semana.

A África do Sul foi o primeiro país do continente a aprovar a PrEP em 2015 e lançou seu programa piloto de PrEP entre profissionais do sexo em 2016. O país parece estar bem à frente das metas de seu plano nacional de HIV, que tem como meta fornecer a PrEP a pouco mais de 104.000 novos usuários de grupos de alto risco até 2022.

O país ainda está aquém das metas da PrEP para 2020 definidas pelo Fundo de Emergência do Presidente para Alívio da Aids, PEPFAR, sediado nos Estados Unidos. O número da PEPFAR é de pouco mais de 200.000 usuários no total – o dobro das metas locais.

Os comprimidos de PrEP consistem em dois medicamentos antirretrovirais (o medicamento usado para tratar o HIV) – tenofovir e emtricitabina – e são chamados de Truvada. Se tomadas diariamente, as pílulas podem reduzir as chances das pessoas de contrair HIV através do sexo em até 96%, vários estudos mostraram.

Como? A pesquisa mostrou que, uma vez que há um nível suficientemente alto desses dois medicamentos nos tecidos vaginais ou anais de uma pessoa HIV negativa, os medicamentos são capazes de, na maioria das vezes, proteger as células do sistema imunológico de serem infectadas pelo HIV quando expostas para o vírus.

Em 2019, os pesquisadores descobriram que tomar dois comprimidos 24 horas antes do sexo e um terceiro comprimido um dia depois do sexo funcionava tão bem para prevenir a infecção quanto tomar continuamente.

Novas opções de prevenção ao HIV no horizonte

Novos usuários de PrEP oral em todo o mundo alcançaram números recordes em 2020, apesar da pandemia de coronavírus, e os especialistas argumentam que é fundamental que esse sucesso seja mantido em 2021 e usado estrategicamente para obter outras opções de prevenção mais recentes, como o anel vaginal e a injeção de oito semanas para pessoas também.

O anel de silicone, que é inserido na vagina, libera o medicamento antirretroviral dapivirina no sangue da usuária e pode ser substituído mensalmente em casa. Pode reduzir o risco de uma mulher de contrair o HIV em cerca de um terço e foi aprovado para mulheres cisgênero pela Agência Europeia de Medicamentos no ano passado. A África do Sul ainda não aprovou o dispositivo.

Agora, uma injeção do antirretroviral de longa ação, cabotegravir, uma vez a cada oito semanas, também pode estar no horizonte. A injeção se mostrou ainda mais eficaz do que o Truvada para mulheres cisgênero, de acordo com os resultados do estudo HPTN 084 apresentado na conferência. Um estudo anterior descobriu que o cabotegravir também é mais eficaz do que a PrEP em homens que fazem sexo com homens e mulheres trans, anunciaram os pesquisadores em 2020.

No estudo HPTN 084, no qual um grupo de participantes recebeu Truvada e o outro cabotegravir, as mulheres que receberam a injeção de cabotegravir tiveram um risco 89% menor de infecção pelo HIV do que aquelas que receberam Truvada. O estudo foi realizado em mais de 3.000 mulheres HIV negativas em 20 locais em sete países da África Subsaariana, incluindo Botsuana, Quênia e África do Sul. No geral, menos de 1% dos participantes do ensaio contraíram o HIV durante o curso da pesquisa, “o que mostra que tanto [Truvada quanto cabotegravir] são altamente eficazes na prevenção do HIV em mulheres cisgênero”, explica a autora principal do estudo, Sinead Delany-Moretlwe, do Instituto de Saúde Reprodutiva e HIV da Universidade de Witwatersrand, na África do Sul.

O medicamento provou ser tão seguro e eficaz que, em 2020, o grupo de especialistas independentes que revisou o estudo recomendou que a fase cega do estudo fosse interrompida precocemente. Em outras palavras, os participantes que inicialmente receberam uma injeção placebo de cabotegravir em combinação com preparação oral, receberam a injeção real de cabotegravir para o resto do estudo porque havia evidências suficientes de que a injeção estava funcionando.

Então, por que a injeção de cabotegravir funciona melhor do que a pílula de Truvada para evitar que as pessoas contraiam o HIV?

A resposta provavelmente está na adesão, diz Delany-Moretlwe: lembrar de tomar uma pílula todos os dias é mais difícil do que tomar uma vacina a cada oito semanas. A pesquisa mostrou que quanto menos freqüentemente um comprimido de PrEP é tomado, menos eficaz ele se torna.

Um estudo de 2015, no entanto, provou que as mulheres sul-africanas querem e são capazes de tomar um comprimido de PrEP diariamente. Três quartos das mulheres jovens no estudo aderiram ao regime diário com sucesso. Mas mais opções é sempre melhor, acredita Mitchell Warren, diretor executivo da organização de advocacy com base nos Estados Unidos, Aids Vaccine Advocacy Coalition (Avac).

E as opções potenciais de prevenção ao HIV estão se expandindo rapidamente. Os cientistas estão pesquisando uma pílula que pode ser tomada mensalmente, em vez de diariamente. É feito de um medicamento antirretroviral de longa ação, o islatravir. Até agora, de acordo com pesquisas divulgadas na conferência desta semana, os cientistas sabem que a pílula é bem tolerada e que uma dose mensal cria níveis da droga no sistema das pessoas que são altos o suficiente para prevenir a infecção pelo HIV, revelou Sharon Hillier, que dirige o estudo.

O estudo é um ensaio de Fase 2 o que significa que ainda não foi testado quanto à eficácia em um grande grupo de participantes. Dois desses estudos de Fase 3 em grande escala – que irão testar se uma dose mensal de islatravir oral pode prevenir o HIV – serão lançados nos próximos meses. Um dos estudos será realizado com mulheres cisgênero na África e nos Estados Unidos, e o outro em homens que fazem sexo com homens e mulheres transexuais. A natureza de longa ação do islatravir pode ter suas vantagens, explica Hillier. “O remédio pode ser mais condescendente, se uma dose for tomada tarde ou se as pessoas perderem uma dose”.

Como obter novas opções para as pessoas: Lições da PrEP

Warren diz que, embora esses métodos de prevenção – uma pílula, um anel, uma injeção – dêem às pessoas muito mais opções de como se proteger contra o HIV, eles só têm valor se as pessoas realmente os tomarem.

E a forma como acabarmos implementando a injeção de cabotegravir, uma vez sendo registrada para uso nos países, vai influenciar a probabilidade de as pessoas usarem.

Para isso, diz Warren, há duas lições cruciais que podemos aprender com a implementação da PrEP por via oral.

Em primeiro lugar, quando a PrEP foi aprovada pela agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA) em 2012, demorou três anos para chegar à África do Sul. Desta vez, o medicamento deve ser aprovado em vários países ao mesmo tempo, diz Warren. “Precisamos promover isso ao redor do mundo.”

A segunda lição está na colaboração. Os primeiros dias da PrEP foram caracterizados por muitos projetos menores e desconectados, diz ele. Com o benefício de termos esse antecedente, todos os projetos de implantação do cabotegravir devem funcionar a partir de um manual semelhante. Warren conclui: “O que não queremos é vir a esta conferência daqui cinco anos, onde todos apresentarão seus projetos individuais, e ainda não sabermos como lançar o cabotegravir [em grande escala].”


Notícias relacionadas:

Anel Vaginal que previne gravidez e HIV
ANEL VAGINAL QUE PREVINE GRAVIDEZ E HIV TEM BONS RESULTADOS EM TESTES
Por 90 dias, o anel liberou níveis regulares do antirretroviral dapivirina, que impede a infecção pelo HIV, e do hormônio levonorgestrel, que previne a gravidez.
Islatravir, medicamento para prevenção do HIV via PrEP
NOVO MEDICAMENTO PARA PREVENÇÃO DE HIV AVANÇA PARA FASE 3 DE PESQUISA CLÍNICA
Estudo avalia o islatravir como opção de Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) de longa duração para uso oral, com comprimido único a ser tomado uma vez ao mês.
Esquema de prevenção do HIV com injeções de cabotegravir é mais eficaz do que comprimidos em mulheres
ESQUEMA DE PREVENÇÃO DO HIV COM INJEÇÕES É MAIS EFICAZ DO QUE COMPRIMIDOS EM MULHERES
Durante a pesquisa, ocorreram 34 infecções por HIV em mulheres que usaram os comprimidos diários (tenofovir/entricitabina) e apenas 4 nas que tomaram injeções de cabotegravir a cada 8 semanas.
Europa aprova anel vaginal com dapivirina para prevenção do HIV em mulheres
AGÊNCIA EUROPEIA DE MEDICAMENTOS APROVA ANEL VAGINAL CONTRA HIV PARA PREVENÇÃO EM MULHERES
O anel é a primeira opção de prevenção do HIV projetada especificamente para mulheres desde que o preservativo feminino foi aprovado há quase 30 anos.