Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids call [11] 98212-6950 email mopaids@gmail.com

Uso de medicamentos para profilaxia às IST divide opinião de cientistas

Uma possível opção futura cogitada por cientistas é a profilaxia como principal forma de prevenir as infecções sexualmente transmissíveis.

Agência Aids
11/02/2021

Há um debate científico contínuo sobre a melhor forma de prevenir, controlar e reduzir as taxas de infecções sexualmente transmissíveis (IST).

Uma possível opção futura cogitada por cientistas é a profilaxia como principal forma de prevenir as infecções. No entanto, isso levanta preocupações quanto ao desenvolvimento de resistência aos medicamentos, com a possibilidade de os usuários desenvolverem resistência a certas substâncias que podem ser importantes no combate a outras doenças.

Os especialistas apresentaram seus pontos de vista opostos na conferência virtual HIV Research for Prevention (HIVR4P) na semana passada, com a Professora Jeanne Marrazzo da Universidade do Alabama em Birmingham apresentando argumentos contra a profilaxia de IST, enquanto o Professor Jean-Michel Molina da Universidade de Paris apresentou dados sobre casos em que pode ser benéfico.

Argumentos contra a profilaxia

Marrazzo argumentou que atualmente não há dados sobre os efeitos de curto e longo prazo do uso frequente de antibióticos ao longo do tempo; isso é especialmente relevante porque a dosagem frequente tem sido usada em ensaios clínicos e pode ser necessária para pessoas com alto risco de contrair IST. Além disso, tem havido um enfoque excessivo nas necessidades de saúde sexual dos homens em ensaios clínicos de profilaxia, com muito pouca atenção dada às necessidades das mulheres. As áreas que podem ser potencialmente afetadas incluem a saúde reprodutiva e o microbioma vaginal. Embora alguns HSH com alto número de parceiros sexuais sejam motivados a usar a profilaxia para IST, ainda não sabemos sobre os contextos sexuais que incentivariam as mulheres a usá-la.

A resistência aos antibióticos representa uma grande ameaça quando são usados ​​indiscriminadamente. As bactérias desenvolvem resistência a certos antibióticos e essas cepas resistentes circulam na população, resultando no fracasso de tratamentos que antes funcionavam. No caso das IST, por exemplo, a gonorréia resistiu a várias classes de antibióticos. Mais recentemente, tornou-se resistente à azitromicina e, portanto, esse antibiótico não é mais recomendado para tratamento. Marrazzo também destacou a prescrição inadequada durante a pandemia de Covid-19, aumentando os desafios com a resistência aos antibióticos.

Marrazzo concluiu afirmando que “nós realmente não deveríamos nos contentar com um band-aid para promover o bem-estar sexual.” Em última análise, uma abordagem profilática para o manejo de IST falha em confrontar as razões subjacentes para epidemias generalizadas e seus resultados às vezes graves, como aumento do risco de certos tipos de câncer, sífilis congênita, infertilidade e risco elevado de contrair HIV. Marrazzo argumentou que, “em vez disso, os esforços devem ser focados no desenvolvimento de novas vacinas, novos tratamentos (como novos antibacterianos para cepas resistentes), testes diagnósticos rápidos e precisos e novos métodos de aplicação para melhorar a aceitação do tratamento.”

Argumentos a favor da profilaxia

Já Molina apresentou seu argumento enfatizando a forte necessidade de profilaxia em grupos específicos, como alguns HSH que têm taxas mais altas de IST. Por exemplo, dados de HSH fazendo profilaxia pré-exposição para HIV (PrEP) na Austrália mostraram uma alta incidência de IST, com 2.928 casos diagnosticados em um grupo de 2.981 homens em um ano. Curiosamente, dentro desse grupo, 25% dos participantes representaram 76% de todas as IST, indicando um subconjunto específico de homens que correm maior risco de contrair uma IST. A profilaxia direcionada para IST beneficiaria grupos como esses devido ao seu risco aumentado e à possibilidade de transmissão posterior.

Segundo ele, uma abordagem já usada para controlar as IST é o tratamento acelerado para parceiros sexuais de um indivíduo com diagnóstico confirmado de IST, como a sífilis. Esta abordagem demonstrou prevenir o desenvolvimento da sífilis em contatos sexuais de indivíduos diagnosticados nos três meses anteriores. É recomendado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e representa um exemplo de profilaxia pós-exposição (PEP) bem-sucedida para IST.

Molina demonstrou os benefícios potenciais da profilaxia usando dados coletados como parte do estudo de extensão aberto HIV PrEP French IPERGAY, que envolveu HSH HIV-negativos com alto risco de adquirir HIV e outras IST. Tomar PEP sob demanda resultou em uma queda de 70% nas infecções por clamídia e uma queda de 73% na sífilis. No entanto, Molina enfatizou que nem todas as infecções bacterianas são iguais – a doxiciclina não teve efeito sobre a gonorreia, com infecções semelhantes observadas tanto em homens que a tomaram como em quem não o fez.

Embora a resistência aos antibióticos seja uma preocupação, não houve resistência documentada à doxiciclina e a outros antibióticos de tetraciclina na clamídia ou na sífilis. Portanto, para aquelas IST nas quais a profilaxia tem potencial para prevenir a infecção e onde há menos chance de desenvolvimento de resistência, essa abordagem pode ser viável.

Molina concluiu que mais pesquisas são necessárias, especialmente sobre a eficácia e segurança da doxiciclina como forma de profilaxia. Ele enfatizou que ainda não é hora para o uso generalizado de uma abordagem profilática para IST. Em vez disso, intervenções específicas destinadas a grupos com maior risco de contrair IST e como parte de uma gestão abrangente devem ser testadas em estudos.

A pesquisa de público feita no final do debate refletiu a divisão em relação à profilaxia de IST, com 37% contra, 43% a favor e o restante indecisos.


Redação da Agência de Notícias da Aids com informações de Aidsmap