Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids call [11] 98212-6950 email mopaids@gmail.com

Estudo sugere que mulheres com HIV têm mais risco de desenvolver comorbidades não relacionadas à aids

Probabilidade de desenvolver doenças cardíacas, hipertensão ou hepatites, em uma idade mais jovem, foi 36% maior do que as pessoas que não vivem com HIV.

Agência Aids
02/03/2021

Mulheres que vivem com HIV correm maior risco de desenvolver comorbidades não relacionadas à aids do que suas colegas HIV-negativas, de acordo com uma pesquisa americana publicada na Clinical Infectious Diseases. No geral, as mulheres que vivem com HIV tiveram 36% mais probabilidade de desenvolver comorbidades não relacionadas à aids durante o período do estudo em comparação com as mulheres sem HIV.

Isso aumentou para 48% entre as mulheres com menos de 25 anos – um grupo não priorizado tradicionalmente nas diretrizes de rastreamento de comorbidade.

“Essas descobertas comprovam que as mulheres que vivem com HIV são suscetíveis à multimorbidade prematura e que a avaliação e intervenção do risco de comorbidade devem começar de maneira ideal para mulheres em idade fértil”, escrevem os autores.

Vários estudos sugerem que as pessoas que vivem com HIV são mais propensas a desenvolver comorbidades não relacionadas à aids, como doenças cardíacas ou hipertensão, em uma idade mais jovem do que as pessoas que não vivem com HIV. Existem também algumas evidências que indicam que as mulheres que vivem com HIV correm maior risco do que os homens. No entanto, as mulheres soropositivas geralmente estão subrepresentadas nas pesquisas e a incidência de comorbidades nesse grupo não é bem compreendida.

Com isso em mente, uma equipe de pesquisadores liderada pela Dra. Lauren Collins, da Emory University School of Medicine, realizou um estudo para determinar a prevalência, incidência e fatores de risco associados de dez comorbidades entre mulheres que vivem com ou sob risco de HIV. As comorbidades avaliadas no estudo foram pressão alta, colesterol alto, doença cardíaca, diabetes, doença renal crônica, doença hepática, óssea e pulmonar, doença psiquiátrica e câncer não relacionado à aids.

O estudo

Eles usaram dados de mais de 3.000 participantes no Women’s Interagency HIV Study, a maior coorte prospectiva com base nos Estados Unidos de mulheres vivendo com HIV e mulheres HIV-negativas em risco de adquirir o HIV. Mulheres sem HIV são recrutadas com base em fatores de risco para HIV, como uso de substâncias e histórico de ISTs.

A idade média das participantes era 37 anos e 65% eram negras. Apenas 35% das mulheres no estudo tinham mais do que o ensino médio e todas as participantes tinham uma renda familiar anual abaixo de $ 24.000, com 56% ganhando abaixo de $ 12.000. Ambas as mulheres vivendo com e sem HIV tiveram uma pontuação mediana de 12 em uma escala de 0-60 para sintomas depressivos, com o limiar para depressão sendo 16 ou acima.

Junto com essas semelhanças, havia também várias diferenças significativas entre os dois grupos. Mulheres HIV-negativas eram significativamente mais propensas a fumar (54% vs 44%), beber álcool (57% vs 47%), usar crack/cocaína (15% vs 10%) e ter um IMC de 30 kg ou acima (47% vs 40%). Mulheres vivendo com HIV eram mais propensas a usar medicamentos para hipertensão (20% vs 16%), estar vivendo com hepatite C (12% vs 9%) e hepatite B (2% vs 1%) e ter problemas renais.

No início do estudo, as mulheres que vivem com HIV tinham uma contagem média de CD4 de 484, mais de dois terços (69%) estavam em tratamento antirretroviral e pouco menos da metade (45%) estavam com supressão viral. No final do estudo, a proporção de mulheres com supressão viral aumentou para mais de 80%.

Ao se inscrever no estudo, as mulheres que vivem com HIV tinham, em média, 1,4 das dez comorbidades avaliadas em comparação com 1,2 entre as mulheres HIV-negativas. Elas eram mais propensas a ter doença hepática (26% vs 16%) e doença psiquiátrica (26% vs 21%), mas por outro lado não houve diferença significativa entre os grupos em termos de doença prevalente.

Durante o período do estudo, as mulheres que vivem com HIV tiveram 36% mais probabilidade de desenvolver comorbidades em comparação com as mulheres sem HIV.

A hipertensão foi a comorbidade mais comum entre as mulheres que vivem com HIV, com 55% a desenvolvendo durante o estudo. No entanto, isso foi semelhante ao de mulheres HIV-negativas, das quais 53% desenvolveram hipertensão.

Mulheres vivendo com HIV eram mais propensas a desenvolver doença renal crônica (13% vs 5%), doença hepática (25% vs 12%), doença psiquiátrica (42% vs 35%), colesterol alto (35% vs 29%) e doença óssea (38% vs 29%) durante o estudo. Não houve diferença significativa na incidência entre mulheres com ou sem HIV nas outras cinco comorbidades estudadas.

Mulheres jovens

Quando analisados ​​por faixa etária, os autores descobriram que a diferença no risco de incidência era maior entre mulheres muito jovens. Mulheres vivendo com HIV com menos de 25 anos tinham 48% mais probabilidade de desenvolver uma comorbidade em comparação com seus pares HIV-negativos. Isso se compara, por exemplo, a um aumento de 36% no risco entre mulheres com mais de 55 anos. As comorbidades com as taxas de incidência mais altas entre mulheres vivendo com HIV com menos de 25 anos foram doenças psiquiátricas, hipertensão e doenças pulmonares.

O estudo investigou uma série de fatores que podem explicar o risco elevado de comorbidades entre mulheres. Eles descobriram que fatores de risco socioeconômicos e de estilo de vida, como baixa renda, alto IMC, tabagismo e uso de drogas, estavam significativamente associados à maior incidência, enquanto os fatores de risco específicos para o HIV (como baixa contagem de CD4 ou alta carga viral) não estavam.

Os autores especulam que a ocorrência precoce de comorbidades entre mulheres vivendo com HIV é multifatorial. Além dos fatores de risco socioeconômicos e de estilo de vida identificados acima, eles destacam a maior prevalência de coinfecções virais em comparação com a população em geral, exposição de longo prazo a certos tipos de medicamentos antirretrovirais, níveis mais baixos de estrogênio entre mulheres na menopausa (o que pode ocorrer mais cedo entre mulheres que vivem com HIV) e inflamação crônica associada ao HIV, como possíveis contribuintes para o risco de co-morbidade. A razão para mulheres mais jovens que vivem com HIV terem maior risco de desenvolver comorbidades permanece obscura, e os autores esperam investigar isso mais detalhadamente.

Conclusões do estudo

Eles argumentam que as diretrizes de rastreamento da população geral com base na idade são inadequadas para pessoas que vivem com HIV e, especialmente, para mulheres. Eles pedem triagem precoce, diretrizes estratificadas por sexo e ferramentas de avaliação de risco que levem em consideração tanto o status do HIV quanto o sexo. Dada a grande contribuição dos determinantes sociais da saúde (como a pobreza e a desigualdade étnica) para o desenvolvimento de comorbidades entre as mulheres, independentemente da condição sorológica para o HIV, os autores também enfatizam a importância de abordar essas questões sistêmicas.

“Ferramentas inovadoras de avaliação de risco clínico e de redução de risco específicas para HIV e mulheres serão fundamentais para abordar a sinergia do HIV e a multimorbidade prematura, alimentada por determinantes sociais subjacentes, nesta população de alto risco”, concluem eles.


Notícia relacionada:

Mulheres com HIV falam sobre efeitos do tratamento e pedem mais pesquisas sobre relação entre corpo feminino e o vírus
MULHERES COM HIV FALAM SOBRE EFEITOS DO TRATAMENTO E PEDEM MAIS PESQUISAS SOBRE RELAÇÃO ENTRE CORPO FEMININO E O VÍRUS
Estudo mostrou que mulheres que vivem com HIV correm maior risco de desenvolver comorbidades não relacionadas à aids em comparação com as mulheres sem HIV.