Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids call [11] 98212-6950 email mopaids@gmail.com

Revista científica The Lancet defende mais atenção para o envelhecimento das pessoas com HIV

Um trabalho recente mostrou melhorias significativas na expectativa de vida com TARV em pessoas com HIV no Caribe, América Central e América do Sul.

Agência Aids
01/11/2021

Os avanços na terapia antirretroviral (TARV) proporcionaram que em 2021 as pessoas com HIV em tratamento eficaz pudessem ter uma expectativa de vida comparável à da população em geral.

A discussão sobre envelhecimento e HIV frequentemente se concentra em países de alta renda. No entanto, essas melhorias podem ser vistas em todo o mundo. Um trabalho recente publicado no The Lancet HIV por Casey L Smiley e colegas mostrou melhorias significativas na expectativa de vida com TARV em pessoas com HIV no Caribe, América Central e América do Sul.

Globalmente, entre 2011 e 2020, o número de pessoas com HIV em todo o mundo aumentou 19% (de 31,8 milhões para 37, 7 milhões), enquanto o número de pessoas com 50 anos ou mais aumentou 113% (de 3,8 para 8,1).

Para muitas pessoas com HIV, a principal barreira para uma vida longa e saudável com HIV é o acesso à TARV, com os dados mais recentes do Unaids estimando que apenas 73% das pessoas com HIV estão em tratamento. Fechar a lacuna no acesso ao tratamento deve permanecer uma prioridade. No entanto, para aqueles em tratamento eficaz, é vital compreender melhor a melhor forma de apoiar o envelhecimento saudável.

Reconhecendo a importância deste tópico, The Lancet HIV e The Lancet Healthy Longevity serão os co-anfitriões do The Lancet Summit sobre HIV e Longevidade Saudável de 24 a 25 de fevereiro de 2022, dedicado a abordar a questão do HIV na população idosa. Este encontro virtual tem como objetivo promover a colaboração transfronteiriça entre pesquisadores de HIV e gerociência e destacar a pesquisa clínica e de implementação que guiará a prática e a política.

Existem grandes lacunas na compreensão do impacto do HIV no processo de envelhecimento. Comorbidades como distúrbios cognitivos, doenças cardiovasculares e diabetes parecem ser mais comuns e ocorrem mais cedo em pessoas com HIV.

No entanto, as pessoas com HIV são frequentemente excluídas das pesquisas médicas sobre outras condições, incluindo aquelas relacionadas ao envelhecimento. O envelhecimento está associado ao aumento da carga de câncer, mas as pessoas com HIV são rotineiramente excluídas dos ensaios clínicos de oncologia. A série sobre neoplasias hematológicas relacionadas ao HIV destacou essa exclusão e as disparidades nos cuidados de saúde que as pessoas com HIV podem experimentar. Além disso, a própria idade costuma ser usada para excluir pessoas com HIV dos testes de HIV.

Dado o número crescente de idosos com HIV, a eficácia de novos tratamentos deve ser estudada nesta população. A exclusão automática de ensaios clínicos com base na idade ou estado de HIV deve terminar.

Além disso, muitos dos dados sobre envelhecimento e HIV vêm de ambientes ricos em recursos. A pesquisa sobre envelhecimento e HIV deve aumentar em locais com recursos limitados, onde se prevê que o número de pessoas com mais de 50 anos vivendo com HIV aumentará substancialmente na próxima década.

Homens e mulheres enfrentam desafios diferentes no envelhecimento, e os dados sobre pessoas com HIV são escassos. Uma revisão de Filippo Maffezzoni e colegas explora o hipogonadismo e a osteoporose em homens cisgêneros vivendo com HIV e destaca a grande quantidade de dados ausentes sobre o assunto nesta população. Nossa edição de setembro continha um ponto de vista de Elizabeth Marie King e colegas sobre terapia de reposição hormonal para mulheres vivendo com HIV. É muito menos provável que essas mulheres recebam terapia hormonal na menopausa do que aquelas sem HIV, e existem grandes lacunas nas evidências dos benefícios e riscos desse tratamento em mulheres que vivem com HIV.

Pessoas que envelhecem com HIV também podem sofrer problemas sociais mais amplos. O estigma e a discriminação enfrentados pelas pessoas com HIV não terminam com a idade. Os serviços para idosos, como grupos sociais ou abrigos, podem não ser acolhedores para grupos desproporcionalmente afetados pelo HIV, como indivíduos LGBT +, usuários de drogas injetáveis ​​antigos ou existentes e profissionais do sexo. A definição de idosos precisa ir além dos estereótipos e refletir a rica e variada experiência de vida das pessoas.

Garantir cuidados clínicos compassivos, holísticos, baseados em evidências e mais amplos para pessoas que estão envelhecendo com HIV é importante e se tornará mais importante à medida que os benefícios do tratamento eficaz se espalharem. O aumento da pesquisa em idosos vivendo com HIV, especialmente em comunidades e locais carentes, pode transformar vidas.

Esperamos que a Cúpula contribua e que você se junte a nós para aprender mais sobre este tópico vital e para ajudar a planejar uma longevidade feliz e saudável para todos que vivem com HIV agora. Todos, independentemente do estado de HIV, devem se beneficiar de uma longevidade saudável.