Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids call [11] 98212-6950 email mopaids@gmail.com

A camisinha é o destaque do lançamento da campanha `Tô Dentro`

Realização da ONG Instituto Vida Nova, com apoio do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo, a “Tô Dentro” é uma campanha de prevenção ao HIV/Aids dirigida aos jovens gays e aos homens que fazem sexo com homens (HSH).

Agência Aids
29/11/2014

Muita gente brilhou no palco e no telão do lançamento da campanha “Tô Dentro. Quem está dentro usa camisinha e sempre aparece”, na tarde desse sábado (29) no auditório de um hotel no centro de São Paulo. Mas quem apareceu mesmo foi ela, a camisinha. Ou reapareceu. Os que acham que ela caiu em desuso, preparem-se. Protagonistas desse projeto estão dispostos a convencê-los de que quem pensa assim está por fora.

Realização da ONG Instituto Vida Nova, com apoio do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo, a “Tô Dentro” é uma campanha de prevenção ao HIV/aids dirigida aos jovens gays e aos homens que fazem sexo com homens (HSH). Composta de vídeos, camisetas, adesivos, boletins informativos e calendário, ela não tem data para acabar.

“Terá continuidade e lançá-la às vésperas do Dia Mundial de Combate à Aids foi apenas uma coincidência, porque foi agora que o material ficou pronto”, disse o idealizador da ação e presidente do Instituto Vida Nova, Américo Nunes Neto, na abertura do lançamento.

Ativistas, modelos e artistas posaram voluntariamente para a campanha e apareceram num vídeo, que o apresentador do evento, o jornalista Lucas Bonnano, mostrou. “Quem disse que camisinha caiu de moda? Ela está super na moda”, disse o ativista Beto de Jesus, um dos que posaram para as peças publicitárias.

Também no vídeo, José Araújo Neto, presidente do Espaço de Atenção Humanizada (Epah), disse esperar que a “Tô Dentro” venha nortear as políticas nacionais sérias voltadas para as populações de jovens gays e de HSH.

“A ausência de ações como essa é responsável pelo crescimento dos casos de HIV/aids nesses grupos”, disse Araújo, outro modelo do projeto.

Américo disse que não tem a pretensão de que a campanha seja norte das ações políticas, pois ela é modesta. Emocionado, contou que quer levá-la para todos os movimentos. “Elaborar essa ação foi um desafio e agora temos outro maior, que é espalhá-la por todos os movimentos, além dos que combatem a aids. É uma ação extra-muros.”

Cláudio Pereira, representando o Movimento Paulistano de Luta Contra a Aids (Mopaids) e o Fórum de ONGs/Aids do Estado de São Paulo (Foaesp), comentou que a campanha é, sim, modesta, como todas as ações de ONGs de aids, mas capaz de chamar atenção do governo federal. “Ela mostra que, embora combalidas, as ONGs têm enorme capacidade de realizar.”

Heloisa Gama Alves, da Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual, mostrou-se indignada com o fato de não haver uma campanha nacional de incentivo ao uso da camisinha, enquanto os números mostram o recrudescimento da epidemia entre jovens gays e HSH. “Por isso fiz questão de estar aqui hoje e apoiar essa ação. “

Celi Tanaka, coordenadora do setor Articulação do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo, disse que o lançamento representa um grande momento. “Em apenas quatro meses, desde que o Américo apresentou a ideia, a gente conseguiu viabilizar essa ação. E fizemos com prazer porque esse é o papel do Programa.” Várias vezes, Américo agradeceu nominalmente a funcionária do Programa Municipal Sueli Cardeal pelo empenho na realização do projeto.

Arthur Kalichman, diretor adjunto do Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo, lembrou que a epidemia cresce entre gays e HSH no mundo todo. “A gente tem de entender o que motiva esse recrudescimento. Incorporar novas tecnologias sem tirar o olhar para a camisinha é fundamental”, disse o médico. “O movimento gay tem de incorporar a pauta da saúde e refletir sobre o exercício da sua sexualidade. Foram os gays que inventaram a noção do sexo seguro. Então, é dentro da comunidade gay que a gente tem de achar um caminho. Talvez a atitude, hoje, esteja pesando mais do que a falta de informação. Temos de refletir.”

Show e desfile

Um show de Ton Capelli, cover do cantor Ney Matogrosso, abriu a segunda parte do evento. Em seguida, houve um desfile das pessoas que posaram para a campanha. No fim, todos subiram ao palco com o idealizador da ação e um coquetel encerrou o lançamento.